sábado, 19 de fevereiro de 2011

não continua

Ontem me demiti sem aviso prévio, pois estava com vontade de ir àquela livraria charmosa que conheci na semana passada e comprar todos os livros do Murakami que ainda não li. E ler todos de uma vez.

Foi então o que fiz.

Saí quase correndo do escritório e não eram nem cinco da tarde.

Ainda ofegante entrei no lugar onde queria me refugiar. Todos os livros pareciam estar a minha espera. Um do lado do outro.

E então na hora em que me dirigi ao caixa avistei a garota que estava atrás do balcão. Ela tinha cabelos claros, olhos atentos às páginas de um livro que não consegui identificar o título e fiquei com vergonha de perguntar pois iria parecer que eu queria puxar assunto e eu já não sei mais conversar. Enfim. Ela usava um sweater azul claro, tão claro quanto seus olhos e seus cabelos, ah! Isso eu já disse e ela estava numa cadeira de rodas e usava uma calça marrom de veludo cotelê.

E ela me deu um marcador de livros. Aliás, ela colocou no meio de Kafka à beira-mar e disse: Esse é o meu favorito.

E quando cheguei em casa coloquei a água na chaleira e logo comecei a lê-lo. E acho que me apaixonei.

Nenhum comentário:

Postar um comentário