sábado, 19 de fevereiro de 2011

pasta de dente

Quando saí de casa senti aquela noite gelada com gosto de pasta de dente, menta, eucalipto, espuma, me pegar de vez.

Não era o vapor que saía da minha boca. Era a Lua o céu eu não sei mas fiquei. Ali, sentado nos degraus da escada do quintal ao lado do meu cachorro.

E então aquelas frases feitas sobre a possibilidade que cada minuto te oferece surgiram na minha cabeça e eu fiquei feliz por um momento.

Pensei em criar uma música, escrever uma carta ou até mesmo ligar pra você. Mas aquele suspiro era meu e de mais ninguém então desci a rua com minha bicicleta para sentir o vento beijar meu rosto e permiti que todos meus pensamentos caíssem no asfalto e eu encontrei a liberdade e voltei pra casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário