terça-feira, 24 de julho de 2012

ar

Abre a janela e deixa o sol bater no teu rosto
Te despertar
Olha a ilha, o mar
E venha
Que eu vou tirar
Sua camiseta de algodão
E beijar
Suas costas sardentas
Que hão de queimar
Sob o lençol branco
Eu vou te puxar
Por cima de mim
E te contar
Que o silêncio
É quem deve falar
E o barulho do mar
A espuma que chega até a areia
Como uma lágrima de refrigerante
Que há de evaporar
Essa noite uma nuvem
Do tamanho do mundo
Vai confortar teu sono
Vem
E abre a janela
Deixa queimar
Enquanto
Eu respiro fundo e sinto o ar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário