sexta-feira, 11 de abril de 2014

amores de metrô - volume quatro

Entrei no vagão no início da noite daquela quinta-feira em que eu me encontrava cansada com um jeans velho, uma camiseta cinza e um livro na mão, Três Vidas, de Gertrude Stein. Porque no início da noite daquela quinta-feira eu me interessava por qualquer vida que não a minha em que eu me encontrava cansada com um jeans velho, uma camiseta cinza e.

Enquanto eu lia vi que alguém me via. Eu estava em pé, de frente para ela. Que estava sentada e olhava para cima e segurava uma caixinha de água de coco. Ela olhou curiosa o título do meu livro e acho que gostou porque continuou a olhar. E numa hora dessas eu nunca sei o que fazer senão continuar a ler.

Enquanto eu lia alguém me via.

O assento ao seu lado foi desocupado e não me restava alternativa senão me sentar e por ali ficar.

Ao seu lado por uma estação.

E numa hora dessas eu nunca sei o que fazer senão.

E então ela se levantou e saiu do vagão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário