sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

nesse dia que interrompo

esse dia deixo durar doze horas já que vivo também naquele dia. dia que já não sei há quantas horas existem. qual dia é o dia que realmente existe. em que dia existo. existo no sono quando ele existe. por exemplo nesse dia que interrompo para estar em outro lugar. sem existir precisar.

mas a fuga também é um lugar.

e de qualquer maneira preciso colocar o despertador para tocar num volume em que eu possa escutar aonde estiver.

sonhando.

sete e pouco.
saio de todos os buracos escuros que encontro na viagem que é pensar
para ir trabalhar.

e se eu sentir frio ainda tenho aquele tricô vermelho.