domingo, 25 de outubro de 2015

água

faz tanto tempo mas eu não percebi porque estava aqui olhando pra essa tela tentando escrever sobre o tempo que não é mais hoje nem ontem nem
só que pra mim
olha, eu não sei o que aconteceu nesse tempo que congelei
nesse tempo que congelei o pensamento mas o corpo
e hoje eu resolvi abrir a janela e estava chovendo
se continuei viva então choveu por esses dias que pensei que não
mas só hoje vi e movi
o pescoço pra fora do quarto e ali aquela água com cheiro da infância daqueles anos em que eu observava a tempestade através da porta de vidro da cozinha daquela casa onde eu só lembro da presença da minha mãe e daquele monte de histórias que ela me contava e da vez que pensei que ela sumiu de vez numa brincadeira de esconde-esconde quando ela se escondeu debaixo da escada do quintal
molhou minha cabeça nessa tarde cinza que eu só descobri porque
e que fazia frio mas eu não senti nada além da água doce mais quente que meu pensamento que então se dissolveu como um fenômeno da natureza como se aprende na escola sobre os estados físicos da água
eu vou evaporar